20º Super Bock Super Rock – Segundo Dia (18 de Julho)

O segundo dia do Super Bock Super Rock ficou marcado pela chuva, por alguns atrasos e pelo grande concerto de Eddie Vedder.

 

Recinto

Mas já lá vamos. A começar o dia tínhamos Cults no palco Super Bock. A banda Nova-iorquina chegou ao  Meco com 2 álbuns na bagagem, “Cults” e “Static”. Apesar de terem tocado os seus maiores êxitos, o público não pareceu muito entusiasta, tornando-se num concerto morno num tarde que ficava cada vez mais fria.

 

De seguida tínhamos que fazer uma escolha entre o português The Legendary Tigerman e os ingleses Pulled Apart By Horses. A banda de Leeds chegou com algum atraso e o início do espetaculo coincidiu com o início da chuva. Este concerto ficou marcado pela chuva e pela energia da banda, que se mostrou incansável e prometeu voltar. Apesar dos esforços, a atuação foi encurtada nas últimas 3 músicas, devido a problemas na cobertura do palco. No final o vocalista veio de encontro ao público, com o qual esteve durante algum tempo para compensar o sucedido.

 

No final do concerto dos ingleses tínhamos ao mesmo tempo 2 nomes em português no outros 2 palcos, Tigerman e Capicua. Ambos tiveram muito público para os receber. O rock de Paulo Furtado foi abençoado pela chuva mas o músico encarou o facto num tom irônico: “Desculpem pela chuva, confesso que não estava previsto“. Este não foi fator suficiente para tirar o espírito de rock n roll do português, que em formato one man band deu ao público tudo o que tinha. Ainda em modo português, a rapper Capicua acabava de atuar no único palco coberto do festival, podendo ser essa uma das razões para o tamanho do público. Num concerto que foi para muitos uma celebração do que de melhor se faz em Portugal em termos de hip-hop, mostrou a rapper portuguesa emocionada pela resposta do público. Com “sereia louca” na bagagem, capicua demonstrou com o hip-hop também tem lugar num festival de rock.

Capicua2

 

Por está hora devia estar a começar o concerto de Sleigh Bells no palco EDP. Mas devido a problemas com a cobertura, o espetáculo teve que ser alterado. A vocalista falou com o público, explicado que teriam que atrasar o espetáculo. “Temos até as 6 da manhã” disse Alexis Krauss.

 

Woodkid1Woodkid era o nome que se seguia. Depois de um espetáculo brilhante em Novembro passado (no Vodafone Mexefest, sendo na altura considerado o concerto do festival), o francês Yoann Lemoine chegou ao Meco com as suas bases e atuações bem fundadas. Foi um espetáculo coeso e sombrio (como se pede na música de Woodkid), e contou com os êxitos “I love you”, “IRon” e “Baltimore Fireflies” que, acompanhados pelos elementos cinéfilos, levam o público ao êxtase. “Run boy run” fechou o concerto em chave de ouro, com os milhares de espectadores a cantarem em conjunto.

 

 

Woodkid3

Quando já todos esperavam por Eddie Vedder, eis que surge a informação de que o concerto iria ser atrasado, sendo que o vocalista dos Pearl Jam tocaria depois de Cat Power (uma hora depois). A romaria para ver a cantora começou, quase todas as pessoas que já se agrupavam à frente do palco Super Bock deslocaram-se para o outro lado do recinto. Com quase uma hora de atraso, a irreverente norte-americana entra em palco para o tão esperado concerto. E ao fim de cerca de meia hora de concerto, a cantora diz que é a última musica que irá tocar e que a atuação teve que ser encurtada devido aos problemas ocorridos. Uma atuação que era à muito esperada pelos fans mas que soube a pouco.

 


Depois disto, deu-se uma nova romaria, no sentido inverso. Quando se começava a ouvir os primeiros acordes do concerto mais aguardado do dia, via-se algumas pessoas a correr desesperadamente para conseguir ver o cantor mais de perto. Numa noite bastante fria o concerto serviu para aquecer, não só o coração mas como também o espirito de alguns dos presentes. Foram tocadas algumas versões dos Pearl Jam assim como algumas músicas dos seus discos a solo. Entre conversas inspiradoras e mensagens anti-guerra o concerto contou ainda com a participação de Cat Power e The Legendary Tigerman. “Disseram-me agora que tenho permissão para ficar aqui a tocar enquanto eu quiser” disse Eddie Vedder, o que levou a que o concerto se estendesse até às 4 da manhã. Já perto do fim ficaram guardadas as canções mais emblemáticas como “Betterman”, “Hard Sun” ou mesmo “Imagine” de John Lennon, que apesar de ser a primeira vez que o músico a toca, tornou-se num dos pontos altos do concerto. Depois de mais de 2 horas de concerto pode-se afirmar que o Sr.Vedder cumpriu o que lhe foi proposto, e que a sua vinda a Portugal foi mais uma vez um êxito.

 

Eddie Vedder

 

Antes de dar por finalizado o dia, ainda tivemos tempo para escutar o noise-pop de Sleigh Bells às 4 da manhã no palco EDP. Com um público muito reduzido, a banda tocou os seus temas mais conhecidos para consolo dos fãs.

 

Apesar dos imprevistos e dos problemas causados pela chuva, o segundo dia de festival acabou por se tornar muito positivo. O último dia de festival espera atuações de Kasabian, Foals e The Kills.

 

Texto: António Almeida
Fotos: Fábio Lopes

Equipa

Deixar uma resposta