Reportagem Fusing Culture Experience

fusing-destaque

 

Com um cartaz totalmente em Português, o Fusing Culture Experience prometia mostrar boa música unida a uma ótima paisagem, num recinto de fazer inveja a muitos outros festivais (este até inclui uma praia privada).

O cartaz deste ano contava com Paus, Dead Combo, Capitão Fausto, Capicua, noiserv e muitos outros como principais atrações. Paus e Capitão Fausto deram os concertos mais explosivos da segunda edição do festival. Já Dead Combo provocaram a maior enchente. Capicua agradou tanto ao público como à crítica, como sempre.

Uma das zonas mais características do festival é o Cooking Lounge. Neste espaço existem provas de vinho, demonstrações de cozinha (desde a vegetariana à molecular). Ainda tem a possibilidade de ouvir uma banda de Jazz diferente durante as refeições neste espaço. Esta área é um dos pontos-chave do festival da Figueira da Foz. E por falar em refeições, o Fusing tem os melhores preços de comida. Algo que apenas por erro entraria neste texto, não fossem os preços tão acessíveis. Ao contrário dos outros festivais de verão, a zona de restauração esta repleta de restaurantes da região que praticam os preços mais baixos de todo o verão.

Mas já chega de comida, o Fusing também tem desportos e arte urbana no cartaz. No campo dos desportos, temos desde surf, vela ou escalada. Desde a praia privada do festival pode-se assistir a demonstrações de jet-ski, ter uma experiência de barco à vela, fazer surf ou utilizar o slide que percorre o areal de uma ponta à outra.

A cultura urbana e reabilitação são as áreas que ficam em destaque com as ações do festival. Estão espalhados pela cidade inteira provas de que o festival é uma mais-valia para a região. São promovidos passeios todos os dias para mostrar todos os esforços feitos para tornar a cidade mais moderna e amiga do ambiente. No recinto é aproveitada uma garagem para demonstrar algumas exposições de fotografia e escultura, assim como serve de palco para conversas íntimas com produtores ou colecionadores de álbuns. É aqui que são feitas também as aulas de dança e breakdance.

Um festival como este no centro de Portugal já fazia falta. O único ponto franco é mesmo o público, devido à fraca assistência nos concertos. Em 2015 o Fusing regressa e devem ir todos experimentar o melhor que se faz em Portugal nas diferentes áreas da cultura.

 

Equipa

Deixar uma resposta