“Deixem o João Falar” – Afinal Portugal não é só Ronaldo e Gastronomia.

Deixem o João Falar

E como não é só de críticas que a rubrica se alimenta, pensei para mim e para os botões da minha t-shirt, epá se calhar já falavas um bocadinho bem de Portugal. E aqui estou eu, porque como bom português gosto de criticar mas também consigo elogiar quando algo de bom acontece no nosso país e como nós funcionamos como as estações do ano, vêm ai três meses de coisas boas…. A crise é uma treta, todos merecemos descansar, mesmo quem teve um ano inteiro dedicado ao zapping, toda a gente vai para o Algarve vivendo bem ou mal… Os típicos comportamentos de um português. E lá estou eu a criticar! Falaremos então das coisas boas!

Chega o Verão e com ele chegam também eventos de uma qualidade que cada vez distingue Lisboa e Portugal como uma das principais bandeiras pelo crescimento cultural na Europa. Não são muitos os artistas conceituados que não pisaram o nosso solo nos últimos anos, situação essa inimaginável á décadas atrás devido ao nosso atraso cultural. Veremos então os cartazes que se estão a constituir em Portugal este ano, nomes como Muse, Alt-J, Prodigy, Disclosure, Sam Smith, Chet Faker, Mumford and Sons, Azealia Banks ou Metronomy marcaram presença no Passeio Marítimo de Algés este ano,Sting,Blur,Florance and the Machine,Noel Gallagher´s High Flying Birds são algumas contratações do Super Bock Super Rock. John Legend, Jamie Cullum, Lenny Kravitz e The Script rumam ao norte do país ao actuarem no festival Meo Marés Vivas, Chance The Rapper, Rudimental e Knife Party fazem parte do cartaz do Sumol Summer Fest deste ano, Hardwell, Steve Aoki, Calvin Harris, Lil Jon, Emeli Sandé estarão presentes no Meo Sudoeste, no EDP CoolJazz poderão apreciar Mark Knopfler, Lionel Richie e Caetano Veloso num dueto com Gilberto Gil, ao já mítico Vodafone Paredes de Coura irão Tame Impala,The War on Drugs, Temples, Charles Bradley e Tv on the Radio e já pudemos testemunhar no mês passado no NOS Primavera Sound atuações de artistas como Marc DeMarco, Jungle, Damien Rice, Caribou, Interpol, FKA Twigs e Patti Smith. Isto falando apenas de festivais de grande dimensão.

O que terão todos este nomes em comum? Grande sucesso, são presenças assíduas na maioria dos maiores festivais de todo o mundo, têm bastante notoriedade e estarão todos presentes em Portugal. Possuímos festivais de excelente qualidade que consegue atrair artistas de todos os géneros de grande qualidade, apresentando um leque de opções bastante elevado. Isto orgulha-me, finalmente temos o nome do nosso País referido nos órgãos de comunicação de muita imprensa internacional não só pela gastronomia e pelo Cristiano Ronaldo, mas sim pela nossa aposta na arte, pela nossa modernização, pela beleza das nossas cidades, da qualidade de vida que apresentamos, atraindo pessoas de várias nacionalidades que encontram nestes festivais a possibilidade de ver artistas de grande gabarito que atuam em festivais estrangeiros por um preço de bilhete bastante superior.

Estamos a ter mais atenção á qualidade na oferta ao público, surgindo eventos como a atuação dos lendários Mobb Deep no Santiago Alquimista, ou a atuação de Profjam, em celebração das Festas da Freguesia do Lumiar com entrada gratuita. Sim tenho orgulho por isto, a nossa mentalidade está mais aberta que nunca, e sei que vamos apenas no início.

Estamos diferentes, para melhor, lentamente estamos a acompanhar a modernização de outros grandes pais do globo. Estamos a gerar receita para as localidades onde se realizam os festivais, assim como para as marcas patrocinadores devido á afluência de pessoas aos festivais ser cada vez maior.

Produz-se dinheiro, desenvolve-se cidades, atrai-se cidadãos estrangeiros, oferece-se cultura, transmitida por alguns dos melhores executores que a música pode oferecer e eleva o nosso nome para um patamar ao nível dos grandes países da Europa no que á cultura diz respeito, haverá melhor atividade, com tantos benefícios?

Isto leva-me a dizer que afinal Portugal não é só gastronomia e Ronaldo, isto não está assim tão mau !

Hasta,

Texto: João Rodrigo

Equipa

Deixar uma resposta