The Magic Whip – “A guitarra une-se à voz”

blur-magic-whip

Daqui a 20 anos quando começarmos novamente a falar de BritPop, das bandas que o formaram e o percurso que tem levado nos últimos anos, certamente iremos falar dos grandes nomes como Radiohead, Suede, Oasis, Muse, mas sobretudo de Blur, e do génio que é Damon Albarn.

Regressando ao presente e passado alguns dias do lançamento de “The Magic Whip”, o 5º álbum dos Blur, que foi lançado numa conferência de imprensa num restaurante chinês em Londres, percebemos de que se trata de um álbum que traz a banda que parecia ter morrido à cerca de 12 anos atrás.

“Lonesome Street”, faixa de abertura do álbum, serve para mostrar o regresso da guitarra tão típica de Graham Cox, presente em “13” e “Parklife”. À guitarra junta-se as letras e voz de Damon Albarn, que neste registo faz lembrar o seu álbum a solo “Everyday Robots” (a “My Terracota Heart” podia muito bem ser um B-Side desse mesmo disco).  Com as letras sempre muito bem delineadas, falam de um pouco de tudo desde as relações fraternas da banda, até aos “silver rockets and cherry trees” da Coreia do Norte, passando por um pequeno devaneio de Damon sobre o amor pelos sinais de Neon verdes das ruas. O disco foi gravado em Hong Kong, e a influencia da cultura chinesa é muito forte neste álbum. Percebe-se um pouco da experiência que terá sido a gravação do mesmo e do gosto pela mesma cultura que a banda nutre. De notar ainda em “Pyongyang” que segundo o vocalista retrata os tempos que andou a visitar a Coreia do Norte tornando-se, em conjunto com “There are Too Many of Us”, numa das faixas-chave do disco.

Quando daqui a 20 anos se olhar para trás, vamos ver “The Magic Whip” como o marco para os fans de Blur, pois trouxe de volta a magia da banda de antigamente.

Os Blur são um dos cabeças de cartaz do Super Bock Super Rock deste ano. Irão actuar no Meo Arena no dia 17 de Julho.

Classificação:  8.0/10
Álbum:  Blur – “The Magic Whip”
Lançamento:  27 de Abril de 2015
Crítica por:  António Almeida

António Almeida

Deixar uma resposta